segunda-feira, outubro 29, 2012
A cruzada anti-voto nulo
Erick Vasconcelos / 1:56 PM
Toda eleição é a mesma novela, o candidato de alguém perde e a culpa é de quem anulou o próprio voto. Se não fossem esses votos nulos, teríamos vencido! O que basicamente significa dizer que o candidato teria vencido a eleição se tivesse vencido a eleição.

A questão dos votos nulos (e dos brancos, atualmente, que são idênticos) é que eles diminuem o universo de votos contados. Ou seja, o voto nulo de um indivíduo na prática aumenta o valor do voto válido de outro indivíduo.

Digamos que num universo de 10 pessoas, uma delas decida votar nulo. As outras 9 votam em um candidato, ou seja, validam o voto. Se antes do voto nulo cada indivíduo teria 10% de influência sobre a eleição (10 votos seriam 100%), agora apenas 9 votos serão contados. O voto nulo, portanto, fez com que cada voto válido passasse a valer 11,11% da contagem. Se dois votos fossem anulados, cada um dos 8 votos válidos restantes teria 12,5% de influência sobre o resultado. E assim por diante.

Assim, os perdedores frequentemente dizem que o voto nulo "ajudou" o candidato que estava na frente, já que a sua porcentagem aumentou proporcionalmente mais.

Num universo de 10 votos, como no meu exemplo anterior, se não houvesse votos nulos e 6 pessoas votassem no candidato A e 4 no candidato B, a proporção ficaria em 60% contra 40% dos votos.

Mas suponhamos que hajam dois votos nulos e que a eleição tenha ficado com 5 votos para A e 3 para B. Nesse caso, no universo de votos válidos, o candidato A teve 62,5% dos votos, enquanto o candidato B teve 37,5%.

Repare que a mesma diferença de votos se mantém, mas a porcentagem para A é maior. Assim, de alguma forma, os votos nulos teriam "ajudado" o vencedor da eleição. Mas isso é um truque estatístico.

Os votos nulos não fazem com que uma massa específica de votos para candidato A passe a valer mais. Eles fazem com que todos os votos individualmente passem a valer mais. Evidentemente que o vencedor, por ter mais votos individuais, vai ter uma porcentagem maior proporcionalmente.

No meu exemplo, eu presumi que a mesma quantidade absoluta de votos fosse subtraída dos dois candidatos. No mundo real, não há nenhum motivo para presumir isso.

Os militantes anti-voto nulo usam esse fato para presumir que se os votos nulos não fossem nulos, a eleição teria sido diferente. Mas claro, assim como se os votos nulos tivessem ido para o vencedor, a diferença porcentual teria sido ainda maior.

Nas últimas eleições, eu ouvi muito esse tipo de argumento daqueles que não queriam que Geraldo Júlio fosse eleito prefeito do Recife. O mesmo veio dos tucanos com dor de cotovelo em São Paulo. Porém, é um absurdo completo presumir que os votos nulos teriam ajudado seu candidato se deixassem de ser nulos.

Como os votos nulos não são contados, são o mesmo que votos inexistentes. Culpar a derrota do seu candidato nos votos nulos é o mesmo que culpar a derrota do seu candidato em pessoas que não existem, porque se existissem votariam nele. Afinal, pessoas que não existem não podem votar, e quem não vota ajuda o candidato que está na frente!

Evidentemente, não dá pra dizer esse tipo de coisa. Se seu candidato perdeu, foi porque não conseguiu os votos válidos necessários para vencer. Se os votos nulos seriam votos para A, B ou X se não fossem nulos, é completamente irrelevante.

Como dizem por aí, se papai fosse mulher, eu teria duas mães. Se fulano não tivesse perdido a eleição, ele teria vencido.

Se.